Páginas

sábado, 22 de junho de 2013

terça-feira, 18 de junho de 2013

Ta "serto"

O vídeo dispensa comentários, mas vamos lá.
O ex-jogador de futebol Ronaldo da entrevista expondo a sua opinião. Segundo o jogador, "não se faz copa do mundo com hospital" para ele o Estado deveria investir mais na copa e menos na saúde publica.
Me questiono, se Ronaldo dependesse do sistema publico de saúde como depende milhares de braseiros a opinião dele seria a mesma?
É certo que eventos como a copa do mundo para muitos são importantes. Mas coloca-lo a frente da saúde é um absurdo e merece repudio.





quinta-feira, 13 de junho de 2013

Policial destruindo viatura durante protesto

Policial é flagrado destruindo viatura durante protestos contra aumento da passagem em São Paulo. Veja as imagens:
 

quarta-feira, 12 de junho de 2013

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Movimento Anarcopunk - Programa Matéria Prima

Este programa foi gravado em 1991, traz Serginho Groisman e platéia entrevistando membros do MAP (Movimento Anarcopunk).
Vale a pena conferir. 



quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Policiais flagrados atirando em adolescente são absolvidos


Ontem - dia 08/08/12  - o tribunal do Juri de Manaus foi a julgou dois policiais flagrados atirando em um adolescente - veja o vídeo - e para surpresa geral da nação ambos foram absolvidos.





Como diria nosso "amigo" da Tv: "isso é uma vergonha".

sábado, 16 de junho de 2012

Eu não esqueci, e você?


Nestes dias a sociedade foi refém do Estado que sem pensar colocou nas ruas com o aval para matar 100% dos seus assassinos armados uniformizados.


 

domingo, 22 de janeiro de 2012

Desabafo tecnológico

O desabafo
O ano de 2010 foi particularmente muito importante nele tive o prazer de me graduar na área da informática, em dezembro deste ano conquistei o titulo de bacharel em Sistemas de Informação. Escolhi esta área por que enxergo nela o poder de dar as pessoas acesso a informações de qualidade, se entreter, além dos benefícios propiciados aos trabalhadores.

Em 1997 meu irmão mais velho ganhou seu primeiro PC um poderoso Pentium 166mhz, mas só 6anos depois tive o primeiro contato com rede mundial de computadores . Na época com meu Pentium III de 550mhz travava lutas diárias com a Telefônica que prestava um serviço ridículo no seu famoso “speedy”. Os anos se passaram e desde 2010 a internet banda larga de verdade chegou ao subúrbio onde moro e me livrei da tal Telefônica.

Pensava eu que ficaria em paz, mas a paz meus amigos é privilégio de poucos e definitivamente não é acessível aos pobres. Quem nos tira o sono hoje é o todo poderoso $ Tio San $ com uma lei fascista que busca acabar com a pirataria e de tabela praticamente destruirá o que conhecemos por compartilhamento de dados.

Em uma das suas primeiras ações prendeu o fundador do site www.megaupload.com e retirou o site do ar. A alegação contra o site é a de facilitação da pirataria. Tal prisão é tão absurda que se trouxermos ela a realidade seria similar a prender o presidente da Google acusando-o de facilitação a pedofilia, já que como todos sabemos o site www.orkut.com durante anos foi utilizado por esta ralé para se comunicar e trocar fotos e vídeos.

A verdade é que cada um é dono dos seus atos e não os sites. Um usuário pode muito bem utilizar o megauplod para compartilhar um arquivo de sua autoria como pode para compartilhar um arquivo pirata. Esta decisão cabe a ele e a ninguém mais, assim como deve caber à punição.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012



O Texto é Grande, Mas o Sofrimento é Maior.

Amor e amparo são luxo. Os dias que se antecedem o natal e ano novo são regados de muitas mensagens de união, paz, perdão e solidariedade, época de se pensar nos erros que cometemos no ano que se finda, para não repetir-los no ano que se inicia.
Porém, percebo que todos 25 e 31 de Dezembro as pessoas se dedicam muito a elas mesmas.
Circulam com desrespeito e desespero para comprar antes do seu “concorrente” de consumo. Engraçado como a palavra “PROMOÇÃO” encarece as coisas, e mais cômico ainda, é ver que as vitrines das lojas sempre ficam vazias. (risos)
É gritante o fato de que as mensagens de união, paz, perdão e solidariedade, não passam meras ferramentas para vender mais. O pior é que funciona.
União é uma palavra tão “usada” por nós, que perde seu sentido de resistência, amor ao próximo, respeito e afinidades. Se tornando apenas um clichê e nada mais.
Paz, somente depois de saciar sua soberba.
Perdão, pura hipocrisia e vaidade sem validade.
Solidariedade, pronunciar é bonito, mas praticar-la incomoda.
Embora, haja importância no tema abordado acima, o foco não é somente esse, e sim uma prévia de que o “amor e o amparo” são um luxo para quem não é influente na sociedade e principalmente para os que não possuem condições básicas de vida.

Partindo desse pensamento e com a idéia do Maikon de arrecadar roupas para as famílias vitimas das chuvas em Belo Horizonte, que tive a idéia de fazer o mesmo pelas vitimas do incêndio na favela do Moinho.
(Incendio na Favela do Moinho) 

(Bombeiros combatendo as chamas na favela)

 Com esse texto começamos as arrecadações de roupas, calçados, alimentos, etc...
(Cartaz convocando pessoas para doarem roupas, calçados, alimentos, etc...para as vitimas do incêndio)

Com esse texto começamos as arrecadações de roupas, calçados, alimentos, etc...
Combinei com três amigos voluntários, John , Maikon e Bruno para levarmos as doações que conseguimos com os colaboradores: Dona Marta, Gih, Bruno (C.L.I.T), Mayara, John (Coletivo Somos Vivos), Maikon (Holocausto Sonoro), Jay(Holocausto Sonoro), Fabio (Sarjeta), Nana, Danila, Débora, Eva, Osvaldo, Vera e Greg (O Porão) e outros/outras...
No dia 31/12/2011, por volta das 13h00min  saímos de Osasco. Algumas vias que davam acesso à favela estavam interditadas, pois haveria um evento no dia. E para quem não conhece o local como a gente, foi fácil se perder.
Passamos próximos a Cracolândia e o impacto ao ver aquelas pessoas circulando durante o dia foi bem maior do que ver na madrugada, chegou a assustar! E não sei o porquê eu achava comum aquela cena durante a noite.
(Usuários de drogas na Cracolandia proximo a estação da Luz)

 Chegamos por volta das 14h40min e já na entrada da favela nos deparamos com pessoas deitadas chão com alguns colchões e panos, outras fazendo suas refeições, parte das crianças que vi, brincavam com os animais na rua e outras na linha do trem (interditado). Fiquei pensando depois... E antes do bloqueio? Quantos adultos, crianças e animais morreram atropelados?
(Entrada da favela do Moinho)

O caminho para chegar onde estavam o posto de arrecadação e distribuição era estreito e com pessoas e crianças circulando, dificultava mais a passagem com veículos.
 (Vielas que dão acesso ao centro da favela)

A primeira coisa que vimos ao entrar na favela foram viaturas...
 
  (Viatura médica, dentre outras de outros departamentos que haviam no campinho de futebol da comunidade)

E uma fila para que a comunidade retirasse suas refeições e detalhe, as refeições também eram distribuídas para pessoas que não foram afetadas pelo incêndio, elas eram identificadas por crachás nas cores azuis (não vitimas) e vermelhos (vitimas).

(Distribuição de refeições diárias à comunidade)

 Após entregarmos as doações, conversamos um pouco com um voluntário da Comunidade Aliança de Misericórdia, que estava nos explicando o que tinha ocorrido de fato. Ele mencionou que pessoa na qual iniciou o incêndio tinha problemas mentais e do risco que ela corria porque os moradores queriam linchar-la.
 Disse também que não foram somente duas mortes, os próprios moradores relataram que ao entrar no local após o incêndio se depararam com mais de dois corpos (é a mídia fazendo seu papel novamente). 
(Maikon camiseta branca em pé a esquerda e Bruno camiseta verde sentado a direita trocando contatos e informações) 

No entanto, houve boas noticias, as doações estavam suprindo as necessidades da comunidade e que a única dificuldade era a guarnição do dia-a-dia.
 (Um dos estoques do local de distribuição, fora esse e há outro ao lado e existe um galpão maior em outro local)

A mobilização foi positiva. Porém, o desfecho do problema de moradia foi e continua sendo muito burocrático.
Nossa casa sempre nos deu uma sensação de proteção e conforto. Pode ser barraco de madeira ou casa de alvenaria, por mais simples que seja este lar, essa é uma das sensações mais fortes que sentimos. Ter um teto sobre nossas cabeças é um sonho da maior parte da população pobre do Brasil.
E sem um teto sobre nossas cabeças, perdemos também nosso “chão”. As 368 famílias desabrigadas da Favela do Moinho estão sentindo isso na pele. E como não bastasse o trauma de perder a casa e se abrigarem em albergues, casas de conhecidos e parentes, ou até mesmo em baixo da ponte na entrada da favela. Já que é de costume, o Estado sempre possui soluções dignas de troféus, enviou policiais para desocupar um terreno onde parte das vitimas do incêndio ocuparam para não dormirem na rua ao sabor do medo e da violência. As 600 famílias que moravam na favela, incluindo as 368 vítimas do incêndio, terão direito ao auxílio-aluguel emergencial no valor de R$ 300 por três meses.
Agora me responda, onde se encontra uma casa de aluguel por esse valor? E os móveis, roupas, eletrodomésticos, etc...? Três meses? Maravilha é tempo suficiente para equilibrar a vida de uma família sem absolutamente nada. Piada!
Isso se chama: TAMPAR O SOL COM A PENEIRA.
Chegamos à conclusão que soluções rápidas não resolvem o problema. Tais como a implosão do prédio inutilizado após o incêndio, implosão essa, que pelo fato de ser em uma favela foi “feita nas coxas” arriscando vidas inocentes. Não é novidade para ninguém que, na implosão de um único prédio, não é feito em etapas. Fiquei indignado ao ver um dos responsáveis pela “cagada” na Favela do Moinho dizer que tudo ocorreu normalmente e que é procedimento normal. Não bastasse o técnico falar essa besteira, o prefeito Gilberto Kassab defendeu o trabalho reafirmando que “não esperava a demolição completa do prédio”.
Como seria normal implodir parcialmente um prédio e deixar vigas de ferro penduradas e parte de paredes sem estruturas para garantir que fiquem em pé até a próxima tentativa de terminar a implosão?
Quem garante a segurança dos funcionários contratados para manusear a execução da implosão e a segurança da população que reside nas proximidades?
 
 (Prédio semi destruido após a implosão mal sucedida)

E se fosse a uma área nobre? Com certeza até as avenidas principais seriam interditadas e quem sabe um protetor auricular para não incomodar os ouvidos sensíveis da elite.

Em outra nota o diretor técnico Wesley Bártoli da Desmontec uma das empresas contratadas disse: “Eu até trabalhei para que conseguisse jogar (o prédio) no chão. Mas eu não consegui jogar, porque o explosivo, apesar de todo mundo achar que é muito, ainda foi pouco”.

Uns dizem que a implosão parcial era prevista, outro diz que a intenção era implosão completa. Divergência de idéias. Mas uma coisa é certa, tem algo muito errado em gastar R$ 3,5 milhões de reais com duas empresas nas quais ganharam licitações para executar serviços para o Estado de São Paulo e não tiveram a capacidade de derrubar um prédio já condenado pelo tempo e incêndio dessa proporção.
  (Momento do incêndio)

É impressionante como o pobre é “tirado” de otário. É revoltante a sentimento de impotência e a sensação de estar engessado.
Aprendi com minha mãe esses dias, que a falta de informação não é sinônimo de burrice. As pessoas podem não saber do que se tratam em livros, mas sabem o que querem e isso é uma ameaça direta aos “donos do mundo”.
Os moradores da favela do Moinho e de tantas outras favelas pelo país, só querem o que é deles por direito. Nem um grão a mais, porque o que é justo é agradável e traz satisfação.
De à Cesar, o que é de Cesar e de ao Povo, o que é do Povo!

Êra
Força e Resistencia!

sábado, 24 de dezembro de 2011

Exploração milenar

Desde a formação das primeiras sociedades existiram aqueles que viram na liderança do grupo uma possibilidade de se autofavorecer.
O vídeo Exploração milenar traz uma teoria sobre a formação da elite e algumas das ações da elite para alienar o povo.




Não importa as ações da elite. Seguiremos INGOVERNÁVEIS!!!!!!!!!!!!!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Opressor Graduando Opressor

No mês passado um dos 116 policiais acusados no Massacre do Carandiru, em 1992, onde 111 presos da Casa de Detenção foram mortos foi nomeado pelo atual governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), como novo chefe da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar).
Para quem não sabe, a Rota é uma espécie de tropa “especial” da Policia Militar paulista.  No entanto, “quando escapa” alguma noticia sobre a tropa, nos deparamos com cenas não muito diferentes das que houveram no auge da Ditadura no Brasil, alias, desde sua criação em 1970 este Batalhão vem participando de vários conflitos que marcaram épocas, numa trajetória de  muita repressão e abuso de autoridade. Aliás, quem já não ouviu o famoso bordão adotado como lema pelo antigo chefe da Rota Paulo Adriano Lopes Lucinda Telhada “bandido bom, é bandido morto”?
E o novo chefe da Rota? Quando questionado sobre sua atuação macabra no Carandiru,  ele responde: “Cumprimos nosso dever”.
É como dizia Cazuza: “Eu vejo o futuro repetindo o passado”.


(Ao lado esquerdo o ex-comandante da Rota Paulo Adriano Lopes L. Telhada e ao lado direito o atual, tenente-coronel Salvador Madia: réu no processo do 'massacre do Carandiru')




 O tenente-coronel, escolhido por Alckmin, responde por 73 mortes no 2º andar do Pavilhão 9 do Carandiru. O senhor governador deve estar muito confiante da absolvição do acusado para ter nomeado um réu antes do julgamento, que ironicamente se chama “Salvador Modesto” Madia. Ou deve partilhar da mesma ideia de que "bandido bom é bandido morto", criando em sua mente a ilusão de estar cumprindo seu dever, dando mais poder à pessoas como o tenente-coronel Salvador.

"Mas nós também temos culpa no cartório"...
"O coronel Ubiratan Guimarães, que comandava a operação, chegou a ser condenado em 2001, mas a decisão foi revista em segunda instância. Ele chegou a se candidatar e a se eleger a deputado estadual em São Paulo pelo PTB, com o número 14.111, usando o número de execuções como estratégia de marketing."  Fonte: Rede Atual Brasil.

Lendo esse trecho onde diz que o líder da operação na qual matou 111 detentos, se candidatou e se elegeu deputado estadual, fica claro o "nossa" falta de comprometimento com a segurança pública e com as outras áreas também. O que não "nos" torna tão diferentes do governador Geraldo Alckmin.

São os oprimidos apoiando os opressores, que uma vez no poder, elegem outros opressores para dar continuidade ao seu regime ditador. Assim como já vem acontecendo bem antes da criação da Rota em 1970.

E ai? Vamos reclamar para quem?


Êra
Força e Resistencia!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Reeducando?


O Brasil ocupando a terceira colocação no ranking de países com maior número de detentos (EUA e China são os dois primeiros). Nos últimos 10anos assistimos a população carcerária do nosso país mais que dobrar passando de 232mil para a atual marca de 496mil indivíduos.
Parte do motivo da grande quantidade de presos é a reincidência, que sempre se mantem alta. Deixando claro que o modelo de "reeducação" através da privação da liberdade é ineficaz.

No início de 2011 uma rebelião passou praticamente ocultada pela grande mídia, nesta rebelião cerca de 90 detentos protestavam por melhores condições de sobrevivência, pois estes estavam em uma comarca que deveria ter no máximo 30 detentos.
Antes da rebelião advogados e familiares buscaram apoio do ministério publico para que ações fossem tomadas e a rebelião assim evitada, porém como sempre o grito dos fracos foi ignorado.
Passado alguns dias destas tentativas frustradas, o inevitável ocorreu e os detentos se rebelaram por cerca de 15horas. Nesta rebelião 6 detentos foram assassinados sendo que 4 destes foram decapitados.


Para aqueles que tem estomago forte, segue o link para os vídeos:

Primeira Parte



Segunda Parte




Reportagem da época





Na nossa visão as cenas estampadas nestes três vídeos deixam claro que a atual situação dos detentos brasileiros esta longe de ser um processo de reeducação. Aglomerar indivíduos e trata-los como animais é um convite para que estes se excluam da sociedade e cometam cada vez mais novas barbáries, e não uma técnica de aproximação a sociedade. Vejo que é necessário a revisão da utilidade dos presídios, que custam muito e não servem para nada.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

E agora, quem é o Índio?

Na escola aprendemos a historia do punhado de terras que hoje chamamos de Brasil. E sempre que isto nos vem a mente lembramos dos escambos (esquema de troca de mercadorias) nos quais os índios entregavam suas riquezas aos colonizadores português, em troca de espelhos e outras inutilizas.
E quando comparamos este trecho da historia com os dias atuais, percebemos que este cenário pouco mudou. Ainda há pelo mundo pessoas com motivos de sobra para acreditar que somos “inocentes” a ponto de trocar nossas riquezas por besteiras. E o pior de tudo, damos motivos para que estas pessoas pensem assim.

Talvez a única diferença para com o passado, é que hoje eles conseguiram nos convencer que o “escambo” é a única maneira para o progresso.  A primeira revolução industrial ocorreu no século XVIII, mas para o Brasil é como se ela ainda não houvesse ocorrido. Ainda sobrevivemos da exportação de commodities e com a degradação do meio-ambiente que isto causa.

O modelo consumista adotado pelos EUA e seus cegos seguidores, desvaloriza o que o Planeta tem de melhor - seus recursos - e valoriza que o homem tem de pior - sua ganancia - fazendo com que poucos tenham muito e muitos não tenham nada.